Invente-se

Tempo das transformações…  A cruel  falta de certeza havia estacionado ali mesmo, dentro dela. A dúvida constante que a levava a rever sentidos, refazer caminhos… A surpresa consigo mesma agora era a regra.  E como estava sendo excitante ser uma estranha para si!!  E ela bailava no seu caos, que estranhamente lhe doava sentido como nunca havia experimentado.   Permitiu-se ser outra, outra idéia, outra crença, outra escolha, outra repetição… Viu todas as matizes de cores de que era feita, e se encantou… E cantou a mulher que nascia, dançando segundo as curvas de seu corpo pediam. Foi uma cena enebriante… Coisa contada só pela mitologia!! Cores, dúvidas, sentidos, repetições, escolhas, melodias e canções: e de quê mais ela se permitiria ser feita?

Anúncios

2 Respostas para “Invente-se

  1. Muito boa expressão da Arella. Gostei muito. Sempre me identifico com coisas do eu feminino. (Claro!) Mas sempre com essa conotação… do ser buscadora não só como humana, mas como mulher…

  2. Somos feitas de tantas misturas, que talvez o “domínio” dessa natureza seja cantá-la, libertá-la, dar voz… E é aí que a gente se sente livre. Que ser livre é ter domínio sobre as escolhas. Ou simplesmente poder deixar-se levar…
    Não seeei… sei que é bom se entregar pra piração interna, pras substâncias que estão entre nós, dentro de nós, ao nosso redor… Viva o devaneio, a poesia de SER!
    Bjossss…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s