Arquivo do mês: dezembro 2009

Asas em mim continuam a crescer!

Descobri uma coisa louca. Do amor ao universo. Transcendi. Durante alguns momentos eu perdi a noção mas achei um caminho. Um caminho que eu considero o verdadeiro, pois quando ponho os pés neles, tudo flui numa dança de fato significativa e eu flutuo, vôo…

Tem algum tempo que o cosmos anda tentando me mostrar uma lição. Mandou-me alguns sinais, vivi situações plenas. Fui feliz. Fiquei triste e até chorei. Mas nissi tudo percebia que não havia nada fora do lugar. Que tudo sempre esteve aonde deveria realmente estar.

Percebi que deveria ser um ser amoroso. Mas o que de fato isso me representava, sendo que eu sempre fui uma pessoa de amar muito. Sempre preguei o amor incondicional, mas vi que a lição mais recente se baseava na indirecionalidade desse amor. De como amar alguém de verdade sem precisar estar ao lado dela(e).

Comecei pela lição da morte. Esta me ensinou muito. Como poder amar alguém, mesmo sabendo que este alguém você nunca mais poderá tocá-lo, ou ouvirá a sua voz, ou simplesmente receberá algum sinal de vida? É transtornante saber que a pessoa simplesmente desaparece no sentido físico. Mas renasce no sentindo amoroso. Dessa forma, somos obrigados a conviver com a ausência imposta pela impermanência.

Enfim. O que me deparo agora é com uma lição secundária.

Trata-se da mesma base emocional, no sentido do amor. A questão central aqui é o amor. Mas diferentemente do amor que há na lição da morte, falo do amor na livre escolha. O amor independente. LIVRE. Aquele que você destina ao homem da sua vida!

Amigas intergalácticas sabem do que se trata… mas o que quero mostrar pra vocês é que eu achava que sabia amar as pessoas independente de tê-las comigo ou não. Ok, essa lição foi aprendida. O curso agora é: aprender a amar sem precisar dela.Ou simplesmente amá-la tão profundamente (e intensamente) e dentro desse sentido pleno de amor, amar também a sua liberdade de escolha, principamente da escolha de desejar nos ter por perto ou não.

Enfim, só quero explicitar e dizer que é uma transformação magnífica. Minha percepção esses dias tem ido ao espaço, abrindo cada vez mais lacunas, e dando finalidade aquilo que já não me serve mais.

Asas em mim continuam a crescer!

Amo vocês…

Por Saturnine.